A ESTIGMATIZAÇÃO DE JORNALISTAS E DEFENSORES DE DIREITOS HUMANOS

Por Juliana Gomes Antonangelo

O assassinato de jornalistas e membros de meios de comunicação constitui a forma mais extrema de censura existente. Como observou a Corte Interamericana de Direitos Humanos, “o exercício jornalístico só pode acontecer livremente quando as pessoas que o realizam não são vítimas de ameaças ou de agressões físicas, psíquicas ou morais, ou de outros atos de hostilidade”. 

Tais ações não só violam de modo especialmente drástico a liberdade de pensamento e expressão da pessoa atingida, mas também prejudicam a dimensão coletiva desse direito. Além disso, atentam contra os direitos dos cidadãos e das sociedades em geral a buscar e receber informações e ideias de qualquer tipo.

Segue para download o informativo contendo padrões interamericanos e práticas nacionais de prevenção, proteção e realização da justiça:

https://www.oas.org/pt/cidh/expressao/docs/publicaciones/2014%2008%2029%20PROTECAO%20JORNALISTAS%20final.pdf

IBEPAC BRASIL REDE PELICANO

NOSSA MISSÃO: Assessorar e articular os movimentos sociais, lideranças, grupos e pessoas, na promoção de políticas públicas voltadas para a defesa dos direitos humanos;

%d blogueiros gostam disto: