“[…] Mas, na maior parte dos homens, a vaidade inata é acompanhada de loquacidade e inata desonestidade.

Falam antes de pensar, e, mesmo quando se dão conta de que sua afirmação é falsa e eles estão errados, é preciso parecer como se fosse o contrário. O interesse na verdade, que deveria ser, em geral, o único motivo na exposição da tese supostamente verdadeira, agora dá lugar, por completo, ao interesse da vaidade: o verdadeiro deve parecer falso e o falso, verdadeiro. [SCHOPENHAUER, Arthur. A arte de ter razão. 38 estratagemas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017]